Festival em Goiânia promove encontro inédito entre Liniker e Bongar

Depois de Dona Onete, Ponto Br, e Orquestra Contemporânea de Olinda, nomes que figuraram com ineditismo nos palcos goianienses em suas últimas edições, a Prosa Sonora reúne uma programação de peso este ano em Goiânia. O festival, que chega à terceira edição com a proposta de abrir espaço na agenda da Capital para bandas que figuram fora do circuito comercial Brasil afora, volta a surpreender na programação com atrações inéditas e gratuitas, além de promover encontros encantadoramente improváveis, como é o caso de um dos shows mais esperados que colocará lado a lado nada menos do que Bongar (PE) e Liniker (SP).

Ao todo, a Prosa Sonora trará a Goiânia 14 atrações que se dividirão em quatro apresentações no Teatro Sesi entre os dias 13 de setembro e 17 de novembro. Além do dueto entre o grupo pernambucano e o cantor paulista, no festival estarão o Forró de Rabeca de Maciel Salu (PE); uma boa mistura de ritmos periféricos com a Bahia Bass do Àttøøxxá (BA); o resgate da sonoridade afro-brasileira do Terra Cabula (GO); um retorno aos bailes de forró pé de serra com o projeto Forró de Vitrola, de Cacai Nunes (DF); o coco das meninas da Cocada Coral (GO); outro encontro promissor entre Berra Boi (PB), Alessandra Leão e Caçapa (PE), e ainda discotecagem com os DJs Gerson Deveras (DF) e Furmiga Dub (PB).

Prosa celebra riqueza e diversidade da música brasileira


A série musical tem como pilar a ampliação do acesso às manifestações regionais da música brasileira. Seu principal objetivo é aproximar o público da essência da cultura popular tão diversa em um país com dimensões continentais como o Brasil. Na Prosa, tradicional e contemporâneo se unem em uma atmosfera única que apresenta a riqueza da tão conhecida, porém nem tão a fundo, música popular brasileira.

Realizada com o apoio institucional do Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, a Prosa Sonora é produzida pela Pandarus Música Brasileira. À frente da produtora estão Fernando Santos e Juliana Alves, com décadas de trabalho dedicado à construção e ao fortalecimento da cena musical goiana.

“Nós entendemos a cultura popular como arte contemporânea, atual e transformadora. Nesse sentido nosso papel é dar vazão a esses repertórios, reduzindo os preconceitos com a música brasileira”, é o que afirma o produtor Fernando Santos. Ele conta que a Prosa demorou oito anos para sair do papel e que durante esse tempo, sentiu a necessidade de incluir a contemporaneidade. “O objetivo é demonstrar e fortalecer a cultura popular, a música folclórica e a música contemporânea brasileira, e os artistas que se apropriam de forma autoral dessas manifestações, redimensionando seu valor e as colocando no lugar onde merecem estar”, ressalta.

https://www.youtube.com/watch?v=NOjRI8dsIq0&list=PLQnZjRDG_YUJefYjIAri8tx1tf_LabB0O&index=2

Terceira edição carregada de novidades


Pela primeira vez, a Prosa abriu um processo seletivo para artistas goianos interessados em integrar a programação. Quatro atrações finalistas foram escolhidas pela produção e o público vai escolher a vencedora por meio de uma votação na página da Prosa Sonora no facebook. A atração mais votada fará o show de abertura da série no dia 23 de setembro.

Outra novidade é uma sessão voltada exclusivamente para o público infantil, a Prosinha, no dia 12 de outubro, Dia das Crianças. Serão duas atrações que misturam circo, teatro e música. A comédia musical Circo sem Teto da Lona Furada dos Bufões da banda cearense Dona Zefinha retrata a luta pela sobrevivência de um circo mambembe nordestino. A abertura fica a cargo do grupo goiano Circo Bambulengo, faz um espetáculo interativo em um cenário feito com elementos de bambu.



Mas o universo circense não se limitará à Prosinha.  Apesar de o local ser o mesmo da edição 2016 da Prosa, o Teatro Sesi, dessa vez o espaço externo será incrementado com uma lona de circo, bar, food trucks e uma exposição com ilustrações artista Wes Gama. Além disso, todos os shows serão transmitidos em tempo real em um telão instalado na área externa, que também será o local de apresentação dos DJs.

Valorização do artista goiano


Pelo terceiro ano consecutivo, o artista gráfico Wes Gama é quem assina a identidade visual da Prosa Sonora. Uma atração à parte, as ilustrações de Wes transportam para o palpável a essência do que o festival tem de mais forte que é a integração entre tradição e contemporaneidade, entre o que existe de mais atual em termos técnicos sem perder a alma e a raiz que fortalece todo este processo. Em seu trabalho, o artista exprime a provocação proposta pela Prosa sobre os antigos e novos caminhos da música brasileira.

Serviço


3ª edição da Prosa Sonora
23 de setembro, 12 de outubro, 23 de outubro e 17 de novembro
Local: Teatro Sesi - Av. João Leite, 1013, Santa Genoveva
Entrada gratuita

PROGRAMAÇÃO COMPLETA


23 de setembro
20h Atração escolhida pelo voto popular
21h Maciel Salu (PE)
22h30 Forró de Vitrola com Cacai Nunes (DF)

12 de outubro
16h Circo Bambulengo (GO)
17h Circo sem Teto da Lona Furada dos Bufões – Dona Zefinha (CE)

23 de outubro
20h Cocada Coral (GO)
21h Bongar (PE) + Liniker (SP)
22h30 Àttøøxxá (BA)

17 de novembro
20h Terra Cabula (GO):
21h Berra Boi (PB) + Alessandra Leão e Caçapa (PE):
22h30 DJ Gerson Deveras (DF) + Furmiga Dub (PB):



    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.