Goiânia tattoo: os traços delicados dos tatuadores Caiuri Barros e Ricardo Costa

Lillian Bento

A relação de Caiuri Barros, de 28 anos, com a arte sempre envolveu amor. Quando criança, ela era apaixonada por desenho e estar diante do papel e dos lápis de colorir lhe trazia satisfação plena. A paixão só crescia até que aos 18 anos  já havia decidido que queria ser tatuadora. À época o plano não foi visto com bons olhos por seus pais, que exigiram que primeiro a jovem artista fizesse um curso superior. Mal sabiam eles que todos os caminhos levariam Caiuri a se tornar tatuadora.

Assim se deu. Ela cursou Arquitetura e chegou a trabalhar na área por dois anos. "Mas não era mesmo o que eu queria para mim porque é um trabalho exigia um saber muito técnico, trabalhava muito diante do computador e não é o que gosto. Gosto de desenhar à mão, de trabalhar com criação", conta. Ainda assim ela seguiu trabalhando como  arquiteta até o início de 2016 quando foi confrontada pela finitude da vida e decidiu correr atrás do que a movia: a arte.

"Meu avô morreu e isso me afetou muito. Foi quando decidi correr atrás do que eu realmente queria para mim porque veio toda a ideia de que a vida é muito breve para deixarmos os sonhos de lado", lembra. Ela vendeu o carro, deixou os trabalhos que mantinha em Goiânia e foi para Campinas, no interior de São Paulo, para fazer o curso de tatuagem na Angel's Tattoo Scholl, Escola de Tatuagem.

Lá ficou por um mês e se destacou entre os alunos a ponto de receber um convite da dona da escola, que é também um estúdio de tatuagem, para trabalhar como tatuadora no espaço. Era o encontro perfeito entre a arte e a artista e o que viria a seguir colocaria o amor ainda mais em evidência na trajetória da artista.



Foi durante o curso em Campinas que Caiuri conheceu o tatuador e professor do curso Ricardo Costa, de 32 anos, hoje seu companheiro de vida e tatuagem. Logo ao fim do curso, os dois iniciaram um relacionamento que seguiria a distância não fosse as intempéries da vida, que neste caso contribuiu para fortalecer a paixão e unir ainda mais o casal de artistas.

Pouco tempo após ter voltado para Goiânia, Caiuri recebeu a notícia de que Ricardo estava internado com meningite. Abalada pelo acontecimento ela retornou a Campinas e lá ficou com o já namorado durante um mês. Foi um período longo de internação e sofrimento que só uniu ainda mais o casal. Em janeiro, de volta a capital goiana, ela começa a tatuar e não parou mais.

"Quando saiu do curso ela já estava apta a tatuar sozinha, montar o próprio estúdio", diz Ricardo orgulhoso da companheira. Em fevereiro foi a vez de Ricardo viajar e foi aí que ele decidiu vir para Goiânia de mala e cuia. "Ele chegou com a cachorra dele e tudo. Foi pra ficar", brinca Caiuri. Aqui Ricardo passou por uma cirurgia de desvio de septo e após se recuperar os dois montaram juntos um estúdio - o Harumi Tattoaria.



Do minimalismo ao realismo

Desde a infância, quando começou a desenhar, Caiuri Barros tem preferência por  desenho de observação, o chamado realismo. Quando começou a tatuar aprendeu todos os estilos de tatuagem, mas sempre gostou mais de fazer tatuagens realista. Mas os traços delicados de seu trabalho a tornou muito procurada pelo público goianiense para tatuagens minimalistas e de traços finos.

"As pessoas me procuram muito mais para fazer tatuagens com traços finos, me escolheram para isso, mas gosto muito dos meus trabalhos com realismo, gosto muito também de florais e personagens", conta a tatuadora. As mãos delicadas de Caiuri também faz com que seu trabalho seja muito procurado por pessoas que querem fazer tatuagens pequenas e delicadas. Conheça alguns trabalhos da tatuadora Caiuri Barros e acompanhe seu trabalho no Instagram: @caiuri.tattoo

https://www.instagram.com/p/BP2umj6hdU6/?taken-by=caiuri.tattoo

 

https://www.instagram.com/p/BXG0we8hXlq/?taken-by=caiuri.tattoo

https://www.instagram.com/p/BXDqmyHhup2/?taken-by=caiuri.tattoo

https://www.instagram.com/p/BWDGxb0Fvnv/?taken-by=caiuri.tattoo

https://www.instagram.com/p/BVHw0mpljlj/?taken-by=caiuri.tattoo

Companheiro, tatuador e sócio



Em Goiânia, Caiuri Barros abriu em conjunto com o companheiro e tatuador Ricardo Costa - o Harumi Tattoaria, que fica no Setor Bela Vista. Ricardo é tatuador desde 2012 e começou a trabalhar em casa quando ainda morava na capital paulista.

Os primeiros passos no mundo da tatuagem ele deu sozinho e começou a trabalhar como um autodidata. Só em 2014, já em Campinas, a 90 km de São Paulo, ele fez o curso da Angel's Tattoo Scholl, Escola de Tatuagem. No ano seguinte ele já estava trabalhando no estúdio e tornou-se instrutor do curso e foi ali que conheceu Caiuri em 2016 e voltamos ao começo desta história.

Ricardo prefere trabalhar com desenhos geométricos e pontilhismos, estilo que muito agrada esta jornalista que vos escreve. Não à toa a matéria que estão lendo agora terminou em tatuagem! Não estava nada programado, mas quando pedi para ver os desenhos de Ricardo lá estava ele - o desenho que eu já queria fazer há algum tempo e que me levava ao Grande Sertão: Veredas. Não resisti. Guardei meu bloquinho e câmera e pedi para ser tatuada. Eis o resultado:

https://www.instagram.com/p/BXBvfynAFTx/?taken-by=riclub

Saiba mais sobre o trabalho no Instagram de Ricardo Costa: @riclub

Fotos: Lillian Bento

Harumi Tattoaria
Facebook: Harumi Tattoaria
Instagram: Ricardo Costa
Instagram: Caiuri Barros
Endereço: Alameda Couto Magalhães, Setor Bela Vista, Galeria Via Couto, Sala 1. Goiânia-GO
Informações:
(62) 98113-4193

 

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.