Motivo para protesto não falta

Quase todas as manhãs levo minha filha de onze anos à escola. De carona vai um colega e amigo na mesma idade. Pelo caminho muitas vezes vamos calados pelo sono de ambos ou batendo papo quando estão mais despertos. Hoje foi dia de conversa profunda. Protestos e greve geral. Suscitado pelo rádio que vai ligado e gritando as notícias do dia. Logo quiseram saber a motivação dos movimentos que se iniciaram nessa manhã de sexta. Como é do meu feitio não ser raso nas explicações, comecei nos meados da revolução francesa. Mas não pensem naquela história enfadonha e chata. Ao longo da retórica sempre incluo uns fatos marcantes para dar cara de filme de suspense, tipo a decapitação do rei francês e sua esposa, ou o fuzilamento do czar e sua família quando da revolução russa de 1917.

Isso posto, passei pela revolução industrial na Inglaterra e a exploração do trabalho humano, perpassei pelo governo Vargas e a promulgação das atuais leis trabalhistas, encaminhei-me pela ditadura militar e a proibição de manifestações populares, citei a redemocratização, eleição e impeachment de Collor (nessa parte frisei orgulhoso que, de rosto pintado de verde amarelo, tinha ido às ruas engrossar o coro dos “insatisfeitos”), cheguei à era Lula e o fortalecimento dos movimentos sindicais e finalizei no atual e fragilizado governo com as tão polêmicas reformas estruturantes.

Nesse ponto me ative em explicar a motivação do movimento proposto para hoje que seriam as reformas trabalhistas e previdenciária entre outros. Falei sobre cálculo atuarial, contribuição previdenciária, conquistas de direitos trabalhistas, longevidade da população brasileira e por fim, como numa conclusão histórica, refleti sobre o direito de protesto e de luta pelos direitos individuais e coletivos. Isso sem deixar de frisar, bem frisado, a minha opinião pela manifestação pacífica e ordeira.

Diante de toda essa miscelânea, notei-os um pouco atordoados com o excesso de informação, então perguntei se haviam compreendido. Eles responderam que era um assunto complexo mas que tinham captado grande parte da explicação. E de bate pronto um deles soltou a pérola: “se o protesto for contra a professora de geografia eu estou dentro”. O outro imediatamente manifestou apoio à causa e formou-se, ali naquele carro, um movimento grevista. Cada um com seu pleito.

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.