Paraíso astral

Sempre gostei de festas. Os que são mais chegados sabem bem disso. As datas festivas trazem um astral diferente e proporcionam uma quebra no cotidiano muitas vezes desgastante pelo qual passamos. Minha data de aniversário, então, sempre foi aguardada com ansiedade. Com festa ou sem festa, nunca deixei de alegrar-me com esse evento. O problema dessa data sempre foi, exatamente, o período próximo a ela. Uma irritabilidade pulsante aparecia do nada e fazia da minha semana anterior um inferno. Se fosse só com a minha pessoa estava fácil de resolver mas existe uma máxima desse inferno astral antes das datas de aniversário que ronda a humanidade. Eu, logicamente, sentia os efeitos desse mal agouro e sofria enormemente com o fato. Na verdade, sofriam os mais próximos que tinham que conviver com essa tensão pré aniversário. Nunca questionei esse fato com muita profundidade e tocava a vida conformado que isso fazia parte da minha vida, como também o fazia da vida de muitos.

Determinado tempo atrás a inquietude pululou em minha mente e comecei a raciocinar sobre as causas do fato. Seria um desejo instintivo de não envelhecer? Seria medo da morte? Seria ansiedade? Seria influência dos astros e outros esoterismos mais? Seria influência cultural? Seria pura besteira? Não sei se alguém que está lendo esse texto sofre desse mal (e espero que sofra porque senão vou me sentir maluco), e também não sei se já se pegaram analisando as causas, mas no meu caso a resposta foi cabal. Determinante. Revelador. Era um pensamento de massa. Aquele que instituem não sei de onde e grande parte da humanidade adota como próprio. Um misto de superstição com ciência popular e um pingo de quem não tem nada para fazer e fica inventando coisas para atrapalhar a vida dos outros. Descoberto isso fiquei mais aliviado. Não precisava mais seguir aquela “tradição”. Senti-me desobrigado de ficar emburrado e irritado nas vésperas do aniversário. Podia envelhecer sossegado. Mas confesso que de vez em quando esse pensamento piolho volta a infestar minha mente. Então paro com os meus botões e abro um sorriso. Dessa vez não rapazinho! Aqui você não se cria mais. E sigo meu caminho. Por que no fundo quem escolhe se a vida é um inferno ou um paraíso sou eu.

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.