Quem tem medo do horário de verão?

Amanhã, sábado, termina o famoso Horário de Verão. Bom ou ruim? Com certeza se coletarmos opiniões nas ruas das diversas regiões do país, que estão sob sua influência, não conseguiremos uma unanimidade. Escutaremos defesas entusiastas de ambos os lados e muitas do tipo: “Não tô nem aí”. Mas o que é esse mecanismo que mexe com a vida de tantos brasileiros e que costuma estar frequente nas mesas de discussões assim como os resultados do futebol do fim de semana? Vamos há um pouco de história e depois tentaremos concluir.

Poucos sabem, mas o Horário de Verão foi idealizado por Benjamim Franklin, o inventor da lâmpada elétrica nos idos de 1784. Muitos podem se perguntar do porque um cidadão inventar a lâmpada e ao mesmo tempo pensar numa maneira de se economizar no uso da mesma. Mas, pasmem, ele pensou na artimanha de economia antes da invenção da lâmpada. Por quê? Para economizar cera de vela. Realmente era um cidadão a frente do seu tempo. Infelizmente, ou felizmente, Benjamim não conseguiu convencer o governo de seu país e a ideia foi esquecida. O primeiro país a adotar o dito horário foi a Alemanha por ocasião da Primeira Guerra Mundial quase 150 anos depois de gestada a ideia. No Brasil a semente foi lançada no verão de 1931/1932, mas de forma esporádica e só veio a ser permanente no verão de 1985/1986. Outro dado importante de se salientar é o ganho de economia energética do Brasil. Esse número gira em torno de 4 a 5% da capacidade de geração do país em horário de pico e em média 0,5% ao longo de todo dia. Pouco? Para termos uma dimensão real desse significado, seria como desligar 1/3 das turbinas da Usina de Itaipu, nossa maior geradora hidroelétrica e a segunda maior do mundo (perde para a Usina de Três Gargantas na China) em horário de pico de consumo. Não é pouca coisa não. Essa energia (do horário de pico) daria para abastecer quase o dobro da população do Estado de Goiás. As polêmicas sobre a real economia ou sobre a melhor maneira de se melhorar a eficiência energética do Brasil, eu deixarei por conta dos especialistas. Mas afinal, quem tem medo do Horário de Verão?

Uma coisa é certa: a uma unanimidade não conseguiremos chegar. Quando se inicia o horário ouvem-se aplausos e vaias. Então vou dar minha opinião pessoal logicamente levando em consideração o quanto a mesma me afeta. Os leitores devem ter se acostumado com minha tentativa de pensar sempre pelo lado positivo. Então vamos lá. Quando se inicia o Horário do Verão, acordamos mais cedo e com isso o dia fica mais longo. Aproveite para andar de bicicleta com seus filhos ou fazer aquela caminhada que tanto seu cardiologista fala aproveitando o fim da tarde com sol. Tenho certeza que com o dia maior, todos acabamos produzindo mais. Essa é uma oportunidade impar de curtir o nascer do sol, já que acordamos mais cedo, e o por do sol, já que saímos do trabalho ainda com luz. Quando finda o Horário, aproveite que seu corpo se acostumou há acordar uma hora mais cedo e vá para a academia. Ou até estenda seu café da manhã com a família. Tenho certeza que eles adorarão. Desse modo continuaremos discutindo os prós e contras do Horário de Verão e até poderemos chegar à conclusão por sua extinção, mas sem deixar de aproveitar os benefícios que ele nos trás no momento.

 

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.