Rodrigo Lagoa: Primeiramente, obrigado Martim Cererê!

Inaugurado em outubro de 1988, o Centro Cultural Martim Cererê é sem dúvidas o palco mais tradicional de Goiânia e nele já se apresentaram grandes artistas do mundo inteiro, de diversos estilos e segmentos. O local também é marcado pela curiosidade de seus teatros serem antigas caixas d’água da Companhia de Abastecimento de Goiás, e, pelo conto popular de que ali foi utilizado como campo de tortura durante a ditadura militar.

Com todos esses fatos e lendas, não podemos nunca deixar de agradecer e falar da importância do local para a cultura goiana, enfatizando três itens que tornam o Martim Cererê na primeira opção para um evento de médio e grande porte: Bem localizado, fácil acesso e taxa de aluguel bem inferior aos demais espaços encontrados na cidade.martim cerereNo último sábado (21) tive a honra de me apresentar mais uma vez no Martim Cererê juntamente com o Faroeste, grupo de rap goiano no qual sou DJ desde 2013. Durante esse período nos apresentamos inúmeras vezes no local e em todas elas, independentemente da quantidade de público presente, a sensação ao descer do palco é a mesma: como é bom fazer show aqui!

Poucos lugares tem a energia que o Martim Cererê tem. Por mais que muitos insistem em dizer que ali o clima é pesado, na minha visão o local é muito aconchegante e vejo muitas pessoas comparecerem nos eventos, independente da atração, por ali encontrar uma interação que acontece nos ‘corredores’, nos bares e até mesmo na porta.primeiramenteVoltando a falar sobre o evento de sábado, Goiânia recebeu pela primeira vez nos seus palcos o rap paulistano do PrimeiraMente, formado pelos Mc’s Gali, Leal e Raillow e pelo DJ Fire. A presença de palco energética e o tom de revolta nas músicas são sem dúvidas as principais características do grupo que surgiu nas rodas de batalhas de MC’s em São Paulo.

Essa ligação entre o PrimeiraMente e as rodas de batalhas talvez tenha servido de combustível para essa nova safra de MC’s que vem surgindo em Goiânia, principalmente para os que batalharam no evento. Da primeira eliminatória até a final, foram batalhas bem disputadas, com um nível altíssimo e o mais importante, com conteúdo.batalha de mcsAo final do evento, pude observar entre os Grupos, DJ’s, MC’s, Público, um sentimento de que aquela noite ficaria marcada e uma dúvida estava no ar: “Quando teremos outro evento igual a este?”. A resposta eu não sei, mas espero que seja em breve! No final, quem ganha é a cena cultural da nossa cidade, que mostra hoje para o país inteiro que a diversidade cultural existe em Goiânia e que aqui não é mais apenas a terra do sertanejo. Hoje o Rap e o Rock tem voz ativa e não me resta dúvidas de que o Centro Cultural Martim Cererê é um dos principais responsáveis por isso.

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.