Rodrigo Lagoa: Profissão DJ - Um mercado em expansão

A noite goiana sempre foi movimentada e muito rica musicalmente falando. É comum você se sentar em um bar e ter que pagar couvert artístico para um cantor ou uma banda ‘desconhecida’ que ali está se apresentando ao vivo, seja com músicas autorais ou, como na grande maioria, fazendo cover de artistas renomados.

Para quem acompanha esse mercado artístico há muito tempo, seja como produtor, músico ou apenas como público, está presenciando a expansão territorial de uma profissão que até poucos anos atrás era muito desvalorizada e até mesmo alvo de preconceitos: A Profissão DJ, reconhecida pelo Ministério do Trabalho no dia 31 de janeiro de 2013.
Há exatos 12 meses, devido à crise e outras dificuldades, fechei as portas da minha empresa e resolvi apostar todas as minhas fichas na carreira de DJ, iniciada em 2013 após o convite do Faroeste, grupo de rap o qual até então exercia apenas a função de produtor. Mas a minha ligação com este mercado vem de muito antes.
daniel de mello
Desde 2010 acompanho a peregrinação semanal do DJ Daniel de Mello, um grande amigo e um dos principais responsáveis por essa expansão. Figurinha carimbada nos grandes eventos da cidade, hoje se mantém exclusivamente da profissão e chega a ter uma agenda mensal com mais de 40 apresentações. O DJ recentemente inaugurou a ‘Casa de Música Goiânia’, local onde ministra o curso de “Iniciação à Discotecagem” e em seis meses de atividades, a escola formou 15 novos profissionais.

O estilo mais escolhido entre os que estão começando é a Black Music, porém, a música eletrônica e o Rock também estão em alta e tem o seu espaço de atuação na noite goiana. E por falar em Rock, aqueles bares e casas noturnas que antes só davam espaço para cantores ou bandas, hoje tem na sua agenda semanal várias apresentações de DJs e o público que até pouco tempo demonstrava uma certa resistência na hora de pagar o couvert artístico, já está se acostumando, participando ativamente, cantando e até mesmo pedindo a sua música preferida.
rodrigo lagoa dj
Aí você deve se perguntar: “Quanto será o valor do cachê de um DJ em Goiânia?” “Se eu virar DJ, dá pra eu viver disso?”. Essas são as perguntas mais comuns que nos fazem por aí. Respondendo, não tem um valor padrão. Na hora de fechar um contrato vários fatores são levados em conta e geralmente o valor que é oferecido para aqueles que estão começando é de R$ 200,00 por um período de duas horas.

Durante o início da carreira é muito comum tocar em alguns eventos em troca apenas da divulgação, o que não é algo deplorável, porém, o DJ também tem que saber se valorizar. Quando um se desvaloriza, ele não está fazendo com que apenas o serviço dele fique barato e sim desvalorizando o trabalho de todos os outros que atuam na mesma cena. Nessas horas é bom se lembrar do alto custo dos equipamentos, do valor do curso e das várias horas de pesquisas.

Viver da música, em qualquer ramo que seja, é algo que requer muita dedicação, paciência, tempo e principalmente ética e profissionalismo. Em Goiânia são poucos os que conseguem ter a música como única profissão, mas isso não é motivo pra desanimar ninguém. A grande sacada é você exercer a música inicialmente como hobbie e sem pressão, ou até mesmo como uma renda extra. Quando você sentir, começar a ver o retorno financeiro e ter a certeza de que a sua hora chegou, abraça a oportunidade e seja feliz.

A rotina da noite é cansativa, traz vários desgastes, mas a satisfação é muito maior que tudo isso. Portanto, se você tem essa vontade ou o sonho de se tornar um DJ, não perca tempo. Procure uma escola para se capacitar, pesquise bastante e coloque seus planos em prática. Quando você menos esperar, vai estar nos mesmos locais que costumava frequentar, porém, como atração principal da noite. E isso vai ser uma das suas maiores conquistas pessoais. Acredite!

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.