Sem perdão

Você já se pegou em atrito com alguém, repleto de toda a razão do mundo, à esperar um pedido veemente de desculpas? Ou ao contrário, tendo cometido a falta, buscar do ofendido o sinal positivo de que suas desculpas foram aceitas? Garanto que os dois questionamentos já fizeram parte da vida da grande maioria dos que me leem. Até porque fomos criados assim né? Pedir desculpas e desculpar. Mas alguma vez já questionaram quais os pensamentos envolvidos nesse jogo do perdão? Vamos lá para um exercício.

Na situação em que você é o ofendido, não resta, na exigência de reparação por parte do ofensor, uma soberba indicando que está em um patamar superior? Do tipo: eu estou certo e o outro está errado. Já pensaram nisso? Ou do tipo: eu julguei o caso, condenei e o ofensor tem que se humilhar perante a mim para sua redenção. Não parece uma relação desigual? Soberba e humilhação entrando num processo de tentativa de reparação de erros. Vamos mais além. Quando você julga alguém infrator e impõe a ele pena de reparação, não estaria se sobrepondo as Leis Universais e “isentando” o ofensor de cumprir sanções de seus erros por uma absolvição do ofendido? Do tipo assim: eu estou te perdoando pelos seus erros para comigo e com isso ficará isento de sanções outras. Isso não parece muito com certas crenças religiosas que sancionam o perdão como absolvição máxima das consequências? Não estaria, nesse interim, se travestindo de Criador Supremo e detentor do poder sobre as Leis Universais? Vejamos então na outra face da moeda. E no caso do ofensor não reconhecer os erros cometidos não o levaria também a um processo de soberba ignorante? E sendo assim não estaria imputando ao ofendido a pena de injustiça?

As perguntas são muitas quando nos referimos ao assunto do perdão e da redenção dos erros, e ao final, restam poucas certezas. Das que restam, sem dúvida nenhuma, uma inexorável é a atuação da Lei de Consequência. Sem choro e nem vela. Erros tem consequências. E não existe ninguém que consiga “quebrar essa”. Nem as partes envolvidas e tampouco terceiros. Se disserem o contrário pode duvidar. Outra certeza é que para haver o perdão é necessário o reconhecimento do erro e o compromisso de mudança da conduta. Sem esse princípio basilar não tem reparação. Isso posto resta se despir de toda e qualquer soberba e humilhação. Assim as partes ficariam em mesmo patamar e poderiam resolver a contenda da melhor forma. E por fim entramos com dois fatores essenciais para o perdão: o esquecimento por parte do ofendido e o reconhecimento do erro e mudança de conduta por parte do ofensor. Voilà está pronta a fórmula do perdão. Fácil né? Antes fosse. Mas quem disse que evoluir como ser humano é fácil? Pensemos.

“... o verdadeiro perdão, aquele que redime, surge da consciência individual, quando quem incorreu em falta ou em erro se emenda. Esse é o perdão grato aos olhos de Deus, por ser o mais fecundo. Também o é aquele que se evidencia pelo esquecimento ou pela atenuação que discretamente se faz de uma falta; não assim o que se pronuncia da boca para fora, porque revela incompreensão e mesmo hipocrisia, pois geralmente está subordinado à submissão humilde do perdoado que o aceita.” (Gonzales Pecotche)

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.