Você é o administrador

Esses dias fui adicionado a um grupo de WhatsApp sobre um determinado assunto específico. Daqueles que tem início e deveria ter um fim quando o assunto que o motivou cessasse. Coisa simples para entendedor parco. Mas as coisas não funcionam bem como são programadas não é mesmo? O assunto proposto logo se perdeu entre outros periféricos que se tornaram principais e ao final, todos esqueceram o real objeto do grupo. Manifestações tipo “pop up” sobre política, religião e intimidades que ninguém é obrigado a compartilhar. Mensagens prontas coladas de internet e rituais de emojis colados aos montes para tentar substituir o cara a cara. Aí, concomitantemente, começam os grupos paralelos que não concordam com os posicionamentos e precisam expor suas opiniões, mas não podem se dirigir aos “infratores” diretamente para não criar rusga. Ou simplesmente por que gostam de falar mal de outros de outros grupos. E os grupos vão crescendo e se embolando criando uma sociedade, com todas as suas cores e diversidades, no mundo digital. Muitos questionam que isso não existiria se não fosse a internet e eu discordo frontalmente. Sempre existiu. Porém a velocidade era infinitamente menor. Discussões e não concordâncias sempre permearam as relações humanas, mas nunca de maneira tão célere. Resumindo, as pessoas nunca tiveram tantos desacordos em tão pouco tempo. Ofensas, deselegâncias, descolocamentos, pedidos de desculpas num átimo de segundo. Quando não tem uma treta acontecendo em algum grupo do “Whats” parece que estamos vivendo em câmera lenta num mundo sem emoção. O vício da velocidade alimenta as deficiências dos seres humanos os tornando, erroneamente, bem inteirados dos acontecidos pelo mundo. Tive a curiosidade de contar quantos grupos eu fazia parte no aplicativo entre ativos e inativos e deram para lá de cinquenta. Fazendo uma média de dez pessoas por grupo, teríamos um total de quinhentos indivíduos trocando ideias certas ou erradas e correndo um imenso risco de se atritarem sem precisão. Ou não. E no fundo tenho que confessar meu gosto por isso. Vejo muito mais possibilidades que deméritos. Entendo os riscos às relações humanas, mas colocando na balança vejo mais ganhos que perdas. Ao final o WhatsApp e demais congêneres se tornam um BBB digital cheio de personalidades se digladiando por um prêmio. No caso dos grupos por um objetivo. Tudo muito rico em análise humana para quem gosta do assunto. Eu, por exemplo, que sou fã do aquário de personalidades, divirto-me e aprendo. E aprendi principalmente, que resta o bom senso. No meu caso optando por interferir e manifestar o mínimo possível nessas redes. Buscando sempre aproveitar as boas coisas que nos trazem a modernidade. Afinal, apesar de não o ser na maioria dos grupos, sou administrador da minha própria vida. E nela faço as minhas próprias escolhas.

 

    Você sabia que o OqueRola está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.