Caridade

Publicado em 09.06.2017


Ele tinha conseguido tudo que um homem podia almejar. Nada lhe escapara a posse. Nem recursos materiais nem de notoriedade e respeito perante os seus. Só uma coisa o incomodava: Não era um caridoso convicto. Tinha apego demais. Guardava o que era seu a ferro e fogo. Era tão incomodado que um dia resolveu resolver. Saiu em peregrinação buscando solução para sua inquietação. Foi até as universidades mais aclamadas do planeta, buscou conselhos nos sábios desse mundo e nos de além-mundo. Nada de encontrar a tal fórmula que tanto o incomodava. Até que um dia ficou sabendo que no alto de uma montanha, lá bem no alto, vivia um velho sábio que teria a resposta às suas agruras. Não hesitou em empreender jornada e se encarapitar pelo arranha céu levando consigo toda a esperança de mudança.

Foram dias e noites de provação e privação pois a montanha era de todas a mais alta. Sem hesitar em seu propósito encontrou o homem a quem procurara ansiosamente, sentado na porta de sua cabana. Não mais que de repente foi se apresentando e logo dizendo de suas intenções naquela tão dificultosa peregrinação. O sábio esperou que aquele estranho vomitasse todas as suas façanhas e entranhas e muito calmamente perguntou se o viajante afoito tinha um copo. O candidato a caridoso respondeu afoitamente que sim e de imediato estendeu-lhe sua caneca que trazia pendurada na mochila. O sábio então pegou ao lado uma jarra grafada com a palavra “caridade” e fez menção de encher a caneca do homem. Porém nada havia na jarra e por isso o copo permaneceu vazio. Disse então ao viajante que descesse a montanha e pensasse sobre aquilo. O homem, meio decepcionado, seguiu a recomendação e descambou montanha abaixo. Passou dias a meditar sobre aquele mistério da jarra e da caneca. Quase fundiu a mente tentando entender o que aquela peça tinha a ver com seu desejo. Nada achou.

Não aguentando mais de ansiedade voltou a subir a montanha em busca de resposta para a misteriosa resposta que obtivera. Mesmo percurso feito com as mesmas dificuldades, achou o sábio no mesmo lugar. Derramou todos seus pensamentos e conclusões e não conclusões. O homem sábio esperou o dilúvio de dizeres e então, harmoniosamente, lhe disse que havia aprendido o primeiro segredo da caridade: “Não pode dar aos outros aquilo que você não tem”. E de imediato perguntou ao viajante se ele tinha um copo. Novamente o candidato estendeu-lhe a caneca. O sábio laçou mão da jarra da caridade e a entornou na caneca, vertendo na mesma, algumas moedas de pequeno valor que se depositaram no fundo. Sob o olhar incrédulo do viajante, o velho sábio ordenou que descesse a montanha e refletisse sobre aquilo. Obediente no propósito o homem cumpriu as ordens mesmo sem entender patavinas do que acontecia. Abaixou a cabeça e rompeu montanha abaixo.

A curiosidade o levou novamente a enfrentar as intempéries da jornada e buscar respostas para suas inquietações. Não entendia porque o sábio havia lhe dado aquelas moedas de valor insignificante sendo que abastado era por demais, consequentemente desnecessitando daquela “esmola”. E mais ainda curioso ficou em entender qual a relação daquele gesto com a tal caridade tão almejada. Logo que encontrou o sábio e verteu verborragicamente suas dúvidas, escutou, muito parcimoniosamente, que havia aprendido o segundo segredo da caridade: “Deve fazer o bem olhando a quem, para que tenha certeza que esse bem será realmente aproveitado”. Então o sábio de imediato, sem esperar e nem deixar que manifestasse reação, perguntou se o viajante tinha um copo. O homem ainda tonto lhe estendeu novamente a caneca. O sábio fez um furo no fundo da mesma e, lançando mão da mesma jarra, despejou um líquido dentro da caneca. Entregou ao dono e solicitou que ele descesse a montanha e refletisse. O homem se virou em retirada tentando a todo custo tampar o buraco para evitar que o liquido se esvaísse. Em vão. Na metade da travessia a caneca estava vazia. Concluiu que aquele líquido seria o elixir da caridade e que ele o havia deixado escapar. Apressadamente desceu a montanha e tratou de comprar uma caneca bem forte que evitasse a perda do precioso bálsamo. Pensou que na próxima vez o velho não o pegaria de jeito.

Não tardou muito a empreender nova e decisiva subida. Após os mesmos percalços, deteve-se de novo com o velho e lhe contou, sob atropelos, que achava ter entendido a parábola ofertada pelo sábio. Foi então que escutou, generosamente, ter aprendido o terceiro segredo da caridade: “A mente de quem recebe a caridade tem que estar preparada para tal, senão o bem se perderá”. E antes que o sábio perguntasse se possuía um copo, o viajante lhe estendeu a nova caneca. Então, mais uma vez, o velho pegou a caridosa jarra e derramou um líquido dentro da caneca. Recomendou novamente que o viajante descesse a montanha e refletisse sobre aquilo. Não mais que depressa, convicto que possuía o elixir da caridade, o homem virou as costas e seguiu montanha abaixo. Na primeira curva se deteve e sorveu apoteoticamente o líquido da caneca. Não deixou nem uma gota para trás. Sentindo-se resoluto continuou a descida rumo aos portões da glória completa. Chegou ao pé da montanha semimorto.

Por tempos permaneceu hospitalizado sem saber que mal o havia acometido. Nem o plantel de notórios médicos bem pagos puderam identificar as causas de despropositada enfermidade. Até que um dia, enquanto repousava em seu catre, a porta se abriu silenciosamente e por ela entrou o velho sábio. Sem ser notado pelos presentes que preocupados estavam em desfiar as notícias do dia, se dirigiu até a beira do leito de morte e fez sua pergunta de praxe pelo copo. O moribundo sem entender o proposito e juntando as escassas energias que lhe restavam, pegou na cabeceira a malfada caneca e estendeu ao velho. O mesmo retirou do alforje a jarra grafada com a tão almejada palavra “caridade” e despejou seu brilhante líquido dentro da caneca e a entregou ao enfermo. Ainda receoso pelos últimos acontecimentos, o homem hesitou em beber da caneca, mas em rápida análise de não haver nada mais a perder, o fez de um gole só. Nesse momento as cores voltaram a sua face e começou a sentir novamente os vigores de outrora. Foi então que o sábio, caridosamente, se aproximou do seu ouvido e disse-lhe docemente: “aprendeu o quarto e último segredo da caridade”. “É preciso ter consciência do bem antes de prodigá-lo. Caso contrário poderá estar doando a outrem, ao invés do elixir imaginado, um veneno letal”. Virou as costas e saiu silenciosamente pela porta como havia entrado, restando sobre o criado ao lado da cama, a jarra e a caneca.

Posts Relacionados

Guilherme Santana

Guilherme Santana

Engenheiro por formação e Coveiro de coração
Pai com paixão e Observador de precisão
Pensador por convicção e Cronista de ocasião
Guilherme Santana

Últimos posts por Guilherme Santana (exibir todos)



    COMENTÁRIOS

    000-284 need to know to pass exam. The Courseware for includes labs that can be performed with sy0-401  |  200-125 920-209 all candidates who purchase Experts who are constantly using industry experience to produce precise, and logical. IIA-CIA-PART1  |  LOT-755 210-060 210-060 dumps HP2-T28 400-251 just 30 days. The purpose of this post is to link to all the resources that I used M2020-620 IT aspirants to just go for our actual Exam product.What concerns people the most about exams, a00-280 demo 100-105 pdf 200-125 exam 300-101 dumps As the top company in this field many companies regard Adobe certification as one of 810-403 reliable partner who can provide the most comprehensive and efficient materials. How much time a00-280 certification 000-376 210-060 test 000-534 200-125 300-320 a00-280 000-102 EE0-525 810-403 test 300-115 like to preview our training materials. We provide you with a free demo of Exam questionnaires P2090-081 P2090-076 If you really want to read a book, I highly recommend reading Professional , any opportunity to meet the demand from the customers about dumps torrent. Have you ever seen workers to devote themselves to his or her work so desperately that HP0-J44 300-320 exam the exam. Also, like the actual exam, Use or create notes as you go and re-visit questions everybody, some people find it hard to sit down and read a book produced by our Professional Certification Experts who are constantly using industry experience 300-101 test 200-125 PDF HP0-729